Citas

“Tenho fé neste despertar formidável de nosso continente. Tenho fé absoluta no futuro deste continente. Tenho fé e posso afirmar aqui que tenho a certeza de que o futuro da América será um futuro muito diferente do que tem sido até hoje. Tudo depende de nossa fé, tudo depende de nosso próprio esforço, tudo depende de nós mesmos. […]
Referência ao texto original: Discurso no Parque Central de Nova Iorque, Estados Unidos, 24 de abril de 1959

 
"E diante da realidade objetiva e historicamente inexorável da revolução latino-americana, qual é a atitude do imperialismo ianque? Está disposto fazer uma guerra colonial contra os povos da América Latina; criar o aparelho de força, os pretextos políticos e os instrumentos pseudo-legais assinados com os representantes das oligarquias reacionárias para reprimir a sangue e fogo a luta dos povos latino-americanos".

Referência ao texto original: DISCURSO DO COMANDANTE-EM-CHEFE FIDEL CASTRO RUZ NA SEGUNDA ASSEMBLEIA NACIONAL DO POVO DE CUBA, REALIZADA NA PRAÇA DA REVOLUÇÃO, 4 DE FEVEREIRO DE 1962

“Os povos pensam que o único incompatível com o destino da América Latina é a miséria, a exploração feudal, o analfabetismo, os salários de fome, o desemprego, a política de repressão contra as massas operárias, camponesas e estudantis, a discriminação da mulher, do negro, do indígena, do mestiço, a opressão das oligarquias, a pilhagem das suas riquezas pelos monopólios ianques, a asfixia moral dos seus intelectuais e artistas, a ruína dos seus pequenos produtores pela concorrência estrangeira, o subdesenvolvimento econômico, os povoados sem estradas, sem hospitais, sem moradias, sem escolas, sem indústrias, a submissão ao imperialismo, a renúncia à soberania nacional e a traição à pátria”.

Referência ao texto original: Discurso na Segunda Assembleia Nacional do Povo de Cuba, realizada na Praça da Revolução, a 4 de fevereiro de 1962

"Os povos da América se libertaram do colonialismo espanhol no início do século passado, mas não se libertaram da exploração. Os latifundiários feudais assumiram a autoridade dos governantes espanhóis, os indígenas continuaram em penosa servidão, o homem latino-americano numa ou noutra forma continuou escravo e as esperanças mínimas dos povos sucumbiram sob o poder das oligarquias e do domínio do capital estrangeiro".  

 

Referência ao texto original: DISCURSO DO COMANDANTE-EM-CHEFE FIDEL CASTRO RUZ NA SEGUNDA ASSEMBLEIA NACIONAL DO POVO DE CUBA, REALIZADA NA PRAÇA DA REVOLUÇÃO, 4 DE FEVEREIRO DE 1962

“Cada qual deve lutar pela paz a sua maneira, cada qual deve lutar pela paz com o que possa e como possa. Assim, a América Latina, ao se enfrentar cada vez mais aos imperialistas, luta pela paz. Enquanto mais povos lutando por sua liberdade houver, mais possibilidades de paz no mundo, mais maniatados estarão os imperialistas, mais fracos serão os imperialistas para desencadear a guerra”.

Referência ao texto original: Discurso proferido no Ato em que lhe entregaram o Prêmio “Lenine” da Paz, no teatro “Chaplin”, a 19 de março de 1962
“E fique bem claro para sempre: dessa sentina repugnante e asquerosa e desprestigiada que é a OEA, nossa pátria jamais fará parte. Pertenceremos algum dia à associação ou organização ou à comunidade de Estados Revolucionários de América Latina.” 
Referência ao texto original: Discurso proferido no encerramento do Ato Central de Início da Safra açucareira dos 10 MILHÕES, 14 de Julho de 1969
“Algum dia, quando a revolução triunfar no resto dos povos da América Latina, nós nos juntaremos aos outros povos e faremos a comunidade de povos latino-americanos. Para tal é preciso a revolução, para tal é preciso o socialismo.”
Referência ao texto original: Discurso em um comício de massas, em Ploiesti, Romênia, 27 de maio de 1972