Citas

“(…) nos próprios Estados Unidos cresce o movimento pela paz, como nos próprios Estados Unidos são cada vez mais numerosas as manifestações populares em favor da paz contra a política guerreira dos imperialistas, contra a carreira armamentista, porque é um interesse de toda a humanidade. E por isso é que toda a humanidade, de diferentes formas, das formas que forem necessárias, há de contribuir à luta pela paz”.

Referência ao texto original: Discurso proferido no ato em que lhe entregaram o prêmio “Lenine” da Paz, no teatro “Chaplin”, a 19 de março de 1962

"Os países em vias de desenvolvimento e, em seu nome, o Movimento de Países Não Alinhados, demandam que uma parte importante dos imensos recursos que a humanidade hoje dilapida na corrida aos armamentos sejam dedicados ao desenvolvimento, o que contribuirá, simultaneamente, a afastar o perigo de guerra e facilitar o melhoramento da situação internacional".

Referência ao texto original: DISCURSO PRONUNCIADO PERANTE O XXXIV PERÍODO DE SESSÕES DA ASSEMBLEIA-GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS, REALIZADO EM NOVA IORQUE, 12 DE OUTUBRO DE 1979
“Quem precisa das armas é o imperialismo, porque está órfão de idéias. Para manter este sistema oprobrioso, para manter todas estas situações das quais se falou aqui, precisa das armas, tem que mantê-las mediante a força; porém se há idéias, se existem idéias se podem defender essas idéias e pode-se fazer com que as idéias triunfem; as idéias não precisam das armas, na medida em que sejam capazes de conquistar as grandes massas. A contradição entre socialismo e capitalismo ninguém pode pensar em resolvê-las com o uso da força, tem que estar doido para pensar nisso; e aqueles que pensam nisso são os imperialistas, por isso mantêm bases militares em todas as partes do mundo, ameaçam todo mundo, intervêm em toda parte
Referência ao texto original: Discurso proferido no encerramento do encontro sobre a dívida externa da América Latina e o Caribe, 3 de Agosto de 1985
“Nestes anos cruciais, a potência capitalista mais poderosa e de mais recursos de todos os tempos permitiu-se o luxo de viver parasitariamente à custa das poupanças do resto do mundo, que não só se viu obrigado a financiar-lhe déficits fiscais e comerciais como jamais foram conhecidos, mas também uma corrida aos armamentos que não tem paralelo na história.”
Referência ao texto original: Discurso na Sessão Inaugural da VI Reunião Ministerial do Grupo dos 77, 20 de abril de 1987
"Nós sabemos como concebe a paz o socialismo; mas também sabemos como pode conceber a paz o imperialismo. E o imperialismo desenvolveu suas forças armadas para o domínio mundial, tem bases militares em todos os recantos da Terra, poderosas frotas navais e aéreas, milhões de soldados; a concepção militar do imperialismo foi desenhada para estabelecer sua ordem no mundo, sua paz, como a que noutros tempos se chamou paz romana; sua concepção militar foi desenhada para manter o domínio sobre o mundo. Esta é uma realidade, e nós devemos ser realistas."
Referência ao texto original: Discurso proferido no ato em comemoração do 32º aniversário do desembarque do Granma e da fundação das Forças Armadas Revolucionárias, e a proclamação de Cidade da Havana Pronta para a Defesa na primeira etapa, na Praça da Revolução, 5 de dezembro de 1988

“(…) estes não são tempos de pensar na própria pátria; há que pensar em termos da pátria latino-americana e caribenha (Aplausos), essa que está representada aquí também através da OCLAE”.

Referência ao texto original: DISCURSO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE CUBA, FIDEL CASTRO RUZ, NO ENCONTRO COM A UNIÃO NACIONAL DE ESTUDANTES, BELO HORIZONTE, BRASIL, NO DIA 1 DE JULHO DE 1999.

Pónha-se fim verdadeiramente à corrida aos armamentos e ao comércio de armas que só engedrarão desolação e morte. Aplíque-se ao desenvolvimento uma boa parte do milhão de milhões de dólares que se dedica cada ano à publicidade comercial, forjadora de ilusões e hábitos de consumo impossíveis de atingir, junto ao veneno que destrói as identidades e as culturas nacionais.

Referência ao texto original: Presidente da República de Cuba na Sessão Plenária da Conferência Mundial contra o racismo, a discriminação racial, a xenofobia, 1 de Setembro de 2001