Notícias

A dupla moral do império

Por acaso as medidas de Trump em relação a Cuba não constituem um sério revés para o trabalho das 595.559 pessoas que participam de formas de gestão não estatal? Photo: Juvenal Balán
Por acaso as medidas de Trump em relação a Cuba não constituem um sério revés para o trabalho das 595.559 pessoas que participam de formas de gestão não estatal? Photo: Juvenal Balán

A nova escalada agressiva do governo dos Estados Unidos em relação a Cuba constitui mais uma reviravolta no bloqueio criminoso econômico, comercial e financeiro contra a Ilha maior das Antilhas, e seus efeitos, sentidos em toda a população cubana, prejudicam um setor da sociedade ao qual o império hipocritamente proclamou seu interesse em favorecer: os trabalhadores independentes.

A CTC e os sindicatos manifestam a sua disposição de continuar representando este segmento de trabalho e defender os seus direitos, como os de todos os trabalhadores, e renova a sua condenação à crescente hostilidade do arrogante vizinho do Norte, em seu desejo obsessivo de render a Pátria de Martí pôs em vigor, em todas as suas partes, a monstruosidade legislativa da Helms-Burton.

Para o adversário, deve ficar claro que o que foi construído nos 60 anos da Revolução é muito maior do que tudo o que foi nacionalizado e é patrimônio do povo e dos trabalhadores, conforme expresso na Constituição da República de Cuba.

Nestes dias podem encontrar-se manifestações de nojo de membros do setor não-estatal, incluindo transportadoras privadas, locadores de moradias, quartos e espaços; processadores de alimentos e vendedores, ou fabricantes de artesanato típico, perante a medida da administração Trump de proibir a chegada ao nosso arquipélago de barcos de todos os tipos dos Estados Unidos e navios de cruzeiro.

Exemplo desse desconforto é o critério de Hector Garcia, motorista de táxi da Carros Antigos Clássicos Conversíveis, que entrevistado pela Agência Cubana de Notícias considerou «totalmente loucos e absurdos estes novos regulamentos» e assinalou que a economia de muitas famílias será seriamente afetada, porque grande parte de sua receita monetária vinha desse segmento. Portanto, os proprietários dos mais de 300 carros clássicos ou de luxo associados a essa agência, como tantos locadores, «estamos preocupados com o futuro que nos espera».

E é que o interesse dos norte-americanos em conhecer a realidade desta nação demonizada por seu governo e o único país ao qual não podem acessar como turistas alarmou a Casa Branca: em 2018, somaram 650 mil que nos visitaram, os quais chegaram em grande parte por meio dos cruzeiros.

A redução drástica de visitantes desse país, incluindo a eliminação das viagens educativas «povo a povo», juntamente com a limitação do envio de remessas, o obstáculo que implica a obrigação de viajar a terceiros países para solicitar um visto se desejarem visitar os Estados Unidos e outras restrições da administração Trump, não só afetam os lucros dos trabalhadores independentes, mas também dificultam a aquisição de financiamento e insumos para o apoio de seus negócios e sua contribuição para a economia nacional e suas prioridades.

Tais consequências revelam a dupla moral do império, que outrora quis usar o setor não estatal de Cuba, os «empreendedores», como os chamou, como ponta de lança contra o projeto socialista que vem se desenvolvendo há mais de meio século nesta terra Eles desconsideraram que esses trabalhadores não são alheios ao modelo econômico cubano, ao contrário, eles são atores importantes cujo desempenho foi sujeito a sucessivas melhorias e agora representam 13% da população economicamente ativa.

Por acaso as medidas de Trump em relação a Cuba não constituem um sério revés para o trabalho de 595.559 pessoas sob esta forma de gestão, das quais 32% são jovens, 35% são mulheres e 10% são aposentadas?

Mas a preocupação de Héctor pelo futuro não pode desestimular a busca de novas iniciativas. Nós, cubanos, sempre soubemos como chegar à frente em situações muito difíceis e a situação atual não será uma exceção.

Em seu recente 21º Congresso, a CTC analisou as melhores formas de representar o setor não-estatal, de acordo com suas particularidades, e o movimento sindical tem a missão de acompanhar suas dúvidas, canalizar suas preocupações e garantir que seu trabalho, seja qual for o setor , aumente.

A CTC e os sindicatos continuarão sendo os portadores de seus interesses, como sempre fizeram com todos os trabalhadores, e transmitirão confiança em sua importância e capacidade de contribuir para a batalha econômica que é o principal desafio de hoje.
 
Denunciando a dupla moral do império perante o setor não-estatal, a Central dos Trabalhadores de Cuba ratifica a vontade do movimento sindical de acompanhá-los no caminho da nação cubana para alcançar um socialismo próspero e sustentável, essa prosperidade que não só aponta a realização individual, divorciada dos interesses coletivos, como defendida pelos defensores do capitalismo, mas para a felicidade de todos.

Esse propósito não pode ser impedido por qualquer armadilha, tropeção ou manobra do Sr. Trump.

Fonte: 

Granma Internacional

Data: 

10/06/2019