Notícias

Rendem homenagem a Fidel Castro e Che Guevara no Foro de São Paulo

O vigésimo terceiro encontro do Foro de São Paulo, iniciado em 16/07, nesta capital, rendeu uma sentida homenagem ao líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro, e ao guerrilheiro heroico cubano-argentino Ernesto Che Guevara.
 
Durante a inauguração do encontro a em Manágua, os mais de 300 delegados de movimentos sociais e partidos políticos de esquerda da América Latina e Caribe dedicaram cânticos e aplausos às duas colossais figuras da história contemporânea.
 
A plenária, de pé, cerrou fileiras ante o legado dos dois ícones da esquerda latino-americana, artífices da luta pela soberania, independência e integração entre os povos.
 
'Fidel, Fidel que tem Fidel que os imperialistas não podem com ele', cantaram os presentes a viva voz.
 
Ao intervir na sessão, o membro do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba (PCC) José Ramón Balaguer, realçou o espírito revolucionário e exemplo imperecível de José Martí, o Che e Fidel Castro, continuado por Raúl Castro.
 
Igualmente destacou que dois acontecimentos de extraordinária significação para as forças revolucionárias completam aniversário neste ano, a Grande Revolução Socialista de Outubro e o desaparecimento físico do guerrilheiro heroico.
 
Assim advertiu que o inimigo comum tratará de silenciar o significado histórico de ambas as efemérides, mas Lênin e o ideal do socialismo, ao qual consagrou toda sua vida, estão hoje mais vivos que nunca, dimensionou.
 
'O Che recorda-nos que só esta luta nos permitirá chegar ao degrau mais alto da espécie humana, o ser revolucionário', apontou.
 
Balaguer, chefe do Departamento das Relações Internacionais do Comitê Central do PCC, declarou que este será o primeiro Foro de São Pablo sem a presença física de Fidel Castro.
 
Mas como expressou o presidente cubano Raúl (Castro) em suas palavras de clausura na recém concluída sessão da Assembleia Nacional do Poder Popular, '...proponhamos-nos enfrentar os novos desafios, sob a guia de seu exemplo, intransigência revolucionária e a fé permanente na vitória', enfatizou.
 
As sessões do Foro de São Paulo se estenderão até terça-feira e terão como epílogo, em 19 de julho, a celebração do aniversário 38 do triunfo da Revolução Popular Sandinista.
 
Nesse sentido, a secretária executiva do Foro, Mónica Valente, indicou que este encontro se realiza na Nicarágua precisamente em cumprimento a essa efeméride.
 
Igualmente em júblio ao triunfo eleitoral da Frente Sandinista de Libertação Nacional com a liderança do presidente, Daniel Ortega, e a vice-presidente, Rosario Murillo, nas eleições gerais de novembro passado.
 
Valente sustentou que a Revolução Sandinista sempre foi uma fonte de inspiração e esperança desde 1979, ao demonstrar que é possível alterar para América Latina e Caribe em benefício dos povos

Fonte: 

Prensa Latina

Data: 

17/07/2017